Novidades

Huawei e Google: o que sucede após a eleição de Joe Biden como presidente dos EUA?

É oficial. Joe Biden foi eleito o próximo presidente dos Estados Unidos da América, pintando o país de azul (a cor representativa do partido democrata). Apesar deste facto, ainda há muito por vir até que o processo eleitoral esteja efetivamente fechado já que Donald Trump pondera recorrer ao Tribunal Supremo por considerar que houve fraude eleitoral. 


O relacionamento entre a Huawei e os Estados Unidos foi excessivamente atribulado nos últimos anos.  Aliás, o real problema centrava-se em questões comerciais entre as duas potências mundiais: China e EUA.

Empresas como a Huawei, TikTok e Bytedance serviram como representantes deste "guerra comercial" . Depois de eleito, Donald Trump implementou algumas das suas medidas. Com o país a cargo do líder do partido Republicano, os EUA abandonaram o pacto climático de Paris, aboliram o acordo nuclear com o Irão, saíram do Conselho de Direitos Humanos da ONU, etc...

Por alegadas questões de segurança que a Huawei e o TikTok (uma das apps mais lucrativas) não cumpriam, foram aplicadas punições às marcas. Contudo, a que mais sofreu foi a Huawei que ficou impedida de receber suporte dos serviços Google. A Huawei acabou por tentar remediar o problema criando as suas próprias apps para colmatar esta falta das aplicações da Google.

Haverá caminho de volta entre a Google e a Huawei?


Com a eleição de Biden, algumas das políticas e decisões implementadas por Trump poderão vir a desaparecer. As relações comerciais entre a China e os Estados Unidos não vão mudar, obviamente, de um dia para o outro. Joe Biden também já deixou bem claro que as relações comerciais com a China têm de ser levadas com algum cuidado, já que não concorda com algumas das políticas do país.

O portal goosed.ie considera que a Google poderá dar suporte à Huawei com os Google Mobile Services, a menos que os novos consultores de segurança encontrem evidências que justifiquem que se continue assim. 

Pessoalmente, não diria que isso vá ser assim tão linear. A decisão de banir a Huawei não dependeu apenas de Trump, mas de mais pessoas ligadas ao governo norte-americano. Assim sendo, se a decisão de banir não foi exclusiva de Trump, a decisão de reestabelecer a relação entre a Google e a Huawei também dependerá de mais gente. Importa ainda referir que mesmo que isso acontecesse, levaria ainda alguns meses ou mesmo anos. Até que ponto a Huawei está disposta a esperar? O que faz entretanto, tendo em conta que já desenvolveu várias alternativas aos serviços Google que poderão ser melhoradas e, quem sabe, tornarem-se concorrentes? Após um investimento tão grande, estarão dispostos a largar tudo e voltar à Google como se nada fosse?

Parece-me claro que a Huawei decidiu fazer este caminho sem depender de terceiros, após tudo o que "sofreu" nos últimos anos. Não acredito que a marca queira estar novamente na corda bamba da incerteza americana, que se apresenta meio que "bipolar" (?).


Qual é a tua opinião? Acreditas no reestabelecimento desta relação? 

Sem comentários