Newsletter


Novidades

Xiaomi anda a espiar os utilizadores? Esta é a resposta da marca às acusações

O Tekcore noticiou recentemente que a Xiaomi foi acusada por espiar e transmitir demasiados dados para servidores remotos. No final do post, alertamos para o facto de nos ser impossível fazer qualquer tipo de comentário ou verificar a veracidade das acusações, tendo em conta que não nos cabe a nós fazê-lo, mas às entidades competentes.

A Xiaomi vem agora desmentir todas as acusações oficialmente, num documento assinado por Manu Jain, o vice presidente da tecnológica.


No comunicado, a empresa esclarece essencialmente as acusações dirigidas ao Browser da marca, que supostamente estaria a recolher informações de navegação dos utilizadores mesmo em modo anónimo. Frisa que o Mi Browser se rege pelos mesmos princípios de funcionamento e segurança do que qualquer outro browser de qualquer marca. 

Enaltece ainda que as organizações TrustArc e BSI (British Standard Institution) confirmaram a segurança e a privacidade de todas as apps disponibilizadas pela user interface da marca chinesa. 

Contudo, referem o facto de as aplicações do sistema não recolherem qualquer tipo de dados ou informação que o utilizador não tenha dado consentimento para tal, ou seja, todos os dados e informações sobre os utilizadores que estão a ser armazenados e utilizados foram consentidos. 


Ignorando qualquer tipo de informações que possam ser recolhidas excessivamente, e tomando como verdadeira a declaração oficial da Xiaomi, altertamos para a importância de ler as políticas de privacidade. Se de facto a empresa só recolhe os dados e as informações consentidas pelo utilizador, então o utilizador dever-se-á interessar em ler essas políticas.

No final do comunicado, a Xiaomi alerta os utilizadores para não acreditarem nestas notícias sensacionalistas e falsas que apenas difamam a marca. Se é realmente assim ou não, não sabemos. Contudo, todos percebemos que a privacidade na Internet não está completamente assegurada, a começar pelas próprias informações que o utilizador consente... e talvez possamos generalizar a muitas outras empresas.

Deixo a questão: Será altura de nos conformarmos?

Sem comentários